Fundado em 17 de julho de 1952 - Orgulho do Futebol de Santa Rosa/RS - Hexa Campeão de futebol de Santa Rosa: 1954/1955/1956/1957/1958 e 1959 - Campeão Citadino de 1963/1965/1968 e 1969 - Campeão Estadual de Amadores do Rio Grande do Sul/Série Amarela em 1959 e Vice-Campeão Estadual de Amadores em 1969.

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Ala feminina

Ala Jovem do E. C. Aliança 



Desfile de 7 setembro de 1960, local Praça da Bandeira.
Anair Grisotti, (?), Marlene Donini, (?), Elbia da Rocha, (?), (?), Romi Schons, Dalila Zenni, Lais Pias, Sandra Reginatto, (?), Rute Maria Meneghini e Loni Meinerz.
Agachados: Gerson Joner da Silveira, (?) Ervino Berg (Pompéia), Alceu Sichinel e Santo Lino Pavéglio.
Fotografias acervo de Raul Meneghini compartido por Genésio Grisotti e João Jayme Araujo.



Ala Jovem do E. C. Aliança 
Desfile de 7 setembro de 1960, local Praça da Bandeira.
(?), Ervino Berg (Pompéia), Lais Pias, Santo Lino Paveglio, Sandra Reginatto, Gerson Joner da Silveira, Dalila Zenni, Alceu Sichinel, Romi Schons, (?) e Anair Grisotti. 




Ala Jovem do E. C. Aliança 
Desfile de 7 setembro de 1960, local Praça da Bandeira.

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Por Onde Anda?

DARCI ZOEHLER (NIQUE)


Darci Zoehler,  ficou conhecido no futebol como Nique, nasceu em 20.09.1935 em Santo Cristo, filho de Vicente Zoehler e Maria Zoehler. 
Da infância e na juventude, guarda belas lembranças de Santa Rosa como os banhos no Poço da Árvore, as pescarias na Cascata do Rio Santo Cristo, as Caçada de pombas nas terras do Seu Ruzzarim e do Colégio Santa Rosa de Lima onde estudou.
Como atleta, iniciou sua carreira esportiva no time de aspirantes do Paladino. Após desentendimento com a direção do Paladino, ajudamos a fundar o Juventus. Regressamos, posteriormente ao Paladino e encerramos no Aliança. Mesmo ajudando na fundação do Juventus nunca foi dirigente. 
Na vida profissional, sou concursado no Banco do Brasil S.A., onde me aposentei com pouco mais de 30 anos de serviço, exercendo o cargo de Inspetor. Após passamos a advogar para o próprio Banco.
Minha atual ligação no futebol é somente como torcedor do Internacional.
Casado com Laci Zanella Zoehler, há 55 anos. Do casamento nasceram três filhas: Beatriz (Tise), Ana Cristina e Sonia Regina (Dinda) . Seis netos e dois bisnetos. Aposentado, como servidor do Banco do Brasil, reside em Porto Alegre.
Um fato pitoresco na vida de jogador: Nique tinha um irmão, o Décio, que também jogava. Quando Francisco José Berta os contratou para o Aliança, acordaram que, a título de luvas, receberiam uma geladeira, cada um. 
“Passaram a ser chamados, pejorativamente, por ‘geladeira,” pelos que não simpatizavam com esse clube.
Foi o início da grande arrancada do clube, cujo cinquentenário do titulo estadual, comemorou-se, no ENCONTRO ANUAL DOS SANTAROSENSES em Porto Alegre, comandado por CARLOS BERTA e seus “companheiros de mesa”, em outubro de 2009. Um outro fato que liga Nique ao futebol: como se sabe, o Juventus tem estreita ligação com o Colégio Santa Rosa de Lima. Quando se implementou o curso ginasial era grande, a quantidade de alunos que conseguiu aprender algo mais, sem sair da cidade. Muitos, metidos a craque. E para variar dois times se formaram. Os melhores envergavam uma jaqueta preta e branca. Os do segundo time, alviverde. Dois irmãos, Décio e Nique, um do primeiro e outro do segundo time – depois de uma flauta amiga e de choro de um - engalfinharam-se a socos, no meio de uma partida, na Vila Agrícola. Era um campo afastado da cidade, mas, mesmo assim se ia a pé. A Agrícola que fora uma Colônia Penal, abrigou astros da Quinta  Coluna, como se chamavam os descendentes de alemães e italianos durante a II Guerra Mundial. Por pouco, o vetusto presídio não teve como hospedes os irmãos brigões.
Os dois irmãos por muito tempo jogaram em times rivais, Paladino e Juventus. Atuaram, depois, no Paladino, a pedido do pai deles, Vicente Zoehler, que era proprietário do jornal A SERRA.

Este texto encontra-se no link: http://juventussantarosa.blogspot.com.br/2010/11/por-onde-anda.html, com a colaboração de João Jayme Araujo, editado em 2010.

domingo, 25 de outubro de 2015

Memória

ELVINO PESSATO

Raul Meneguini é um grande desportista e colaborador deste blog. Grande zagueiro, nos bons tempos do EC Aliança, sempre que o tempo lhe permite, procura resgatar a memória do time do coração. Fez um busca, persistência, até encontrar Elvino Pessato. Era o que faltava para completar, com uma foto, a Galeria dos Presidentes do Aliança. Com o sucesso de sua busca, em 24/11/2015, manteve contato telefônico com o presidente do E. C. Aliança, da gestão de 1961, Sr. Elvino Pessato, que atualmente reside em São Gabriel do Oeste (cidade distante a aproximadamente quilômetros da capital Campo Grande (MS). Está hoje, com 93 anos de idade, e com um longo papo, ambos saudosistas, relembraram dos grandes momentos do EC Aliança.  De 1960 até 1965, segundo Meneguini, Elvino Pessato,  era proprietário de um comercio, denominado de Casa Glória(roupas etc.) e sua sede era no prédio, esquina da Avenida  Dr. João Dahne com Praça da Independência (defronte a Igreja Matriz Católica Sagrado Coração de Jesus). A flâmula do Aliança, descoberta por Atanagildo G. Rorato, junto a Airton Friedrich, está inserida no blog do Aliança e teve como patrocinador na época da empresa de Elvino Pessato. Destaca ainda, Meneguini, que conversou com os filhos Geni e Armando. Estes,  enviaram fotos  do time do Santos F. C. (futebol de salão), o goleiro que aparece na foto abaixo,  é Valdi Lopes da Silva(falecido em 01.06.2014), esposo da filha de Elvino, Sra. Geni Pessato, além de fotos do seu pai Elvino, para ser postado no blog do Aliança, entre elas, uma especial na Galeria dos Presidentes do clube. 

Pessato operando seu rádio amador, uma de suas paixões.

Flâmula do Aliança patrocinada pelo comércio de Elvino Pessato.

 Local onde Pessato era proprietário do seu comércio - a Casa Glória(1960/1965). 

sábado, 3 de outubro de 2015

Por Onde Anda?

NERI CAPPELLARI

Nome, local de nascimento, filiação: Tranquilo Neri Cappellari nasceu em Santa Rosa, RS. Filho de Tranquilo Luiz Cappellari e Izolina Marques Cappellari

Apelido (se for o caso): não.


Foto ao lado: Neri, atualmente,  em sua residência em Porto Alegre, com Otto, seu cachorro de estimação.


Casamento. Com quem, quantos filhos, netos e etc:  Casado com Marilê Emirtes Cappellari, com quem tem 3 filhos (Paulo Henrique, Lize Helena e Ana Paula) e dois netos (Eduarda e Davi)


Grau de escolaridade: Ensino Médio

Como foi a infância (descrever, onde, quando): O que lembra com saudade. Nasceu e cresceu em Santa Rosa, em frente a Igreja Matriz, nos anos 40,  Lembra com saudades das incríveis aventuras na descida da rua com carrinho de rolimã feito por ele e seus irmãos.

Vida esportiva (onde iniciou,  em que clubes jogou – o que recorda desta fase:  Começou no ABC (Clube dos Bancários), Paladino, Juventus, Aliança e Big Boys. Recorda dos campeonatos que jogou na Argentina com o ABC, dos jogos em Três de Maio, Tucunduva e Horizontina. Foi um tempo muito divertido e de muitas histórias.

1958 - Estádio Municipal Carlos Denardin, Paladino F. C. Em pé, da esquerda para direita: Carlinhos Hoffmann, Juarez dos Santos, (?), Julio Andrade, Lotario Dreher e Marcinarei Cassol. Agachados: Charles Joner, Zeca, Evilásio, Neri Cappelari e Kalil.(Marcinarei Cassol também atuou no Botafogo de Três de Maio e irmão de Marcelino, o eterno presidente do Botafogo.)

Clube(s) pelo qual torce): GRÊMIO.

Atividade atual (ou enquanto esteve trabalhando): Bancário Aposentado

Mantém atividade relacionada com o esporte? Participa dos treinos do neto Davi no Futsal do Grêmio Náutico Gaúcho, na categoria mamadeira três vezes por semana e vai aos campeonatos torcer pelo neto.

Já foi treinador, dirigente ou algo similar? Não


O  que faz atualmente? Cuida do Neto, ajuda os filhos, cuida do jardim de casa e passeia com o Otto, seu cachorro de estimação.

1960 - Quadra da Escola Evangélica da Paz  - Futsal - Em pé: Fehlauer, Joacir Magalhães e Ari Weber. Agachados: Neri Cappelari, Pedro Pereira Acosta e Thomas Motta. 


Ficha de inscrição na Federação Gaúcha de Futebol(antiga Federação Rio Grandense de Futebol)








ABC - ATLÉTICO BANCÁRIOS CLUBE Na foto acima aparecem, em pé: Luiz Cappellari (treinador), Numeraldo, João Manoel, Wilmar Birmann, Rubem Maicá, Reinery, Sfoggia (Antonio Carlos Sfogia Nunes) e Jaques (Presidente). Agachados: Fernando, Charles, Mauro, Neri  Cappellari e Oldemar (Parafuso).






Local: Praça da Independência, ano 1961, aparecem na foto: Áureo Machado(Torcedor), Neri Cappellari, Luiz Fortes(Gordo), Dirceu Torres(Torcedor), Pedro Dias(Mulita), Antenor Grisotti(Diretor de Futebol) e sentados Walter Wienandts e Raul Meneguini.



Matéria publicada no Jornal A SERRA em 02/12/1964, Coluna Panorama Esportivo do jornalista Erni Friderichs, que relata o embate entre E.C Aliança e Atlântico de Erechim.  



OBSERVAÇÃO: CLIQUE NAS FOTOS PARA AMPLIÁ-LAS.

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Por Ande Anda?

LÍDIO GRINGS


Nome, local de nascimento, filiação: LIDIO GRINGS, nascido em Santa Rosa, RS, em 14 de junho de 1935, filho de João Grings e Olinda Grings.
Apelido (se for o caso) – não tive apelido. 
Casamento. Com quem, quantos filhos, netos e etc. Casado, com Maria José Lemos Grings, temos 03 filhos (Katia, Ricardo e Karin); 03 netos (Marcela, Mariana e Miguel) e 01 bisneta (Julia).  
Grau de escolaridade: Segundo Grau. 
Como foi a infância (descrever, onde, quando). O que lembra com saudade: Lembro do local onde morei, por 20 anos, ou seja, até o ano de 1955, no endereço da Rua Caxias, esquina com a Avenida Dr. João Dahne; lembro que estudei no Colégio Santa Rosa de Lima e Instituto Machado de Assis, lembranças do professor Fioravante Pedrazzani; das pescarias nos Rios Pessegueiro e Pessegueirinho; gostava de caçadas, lembro do companheiro de caçadas e pescarias que era o meu estimado amigo Agamenon Kruel;   aos 20 anos de idade, por motivos profissionais, deixei a minha cidade natal Santa Rosa, RS, indo residir na cidade de Porto Alegre, RS; lembro ainda, com saudades, dos bailes nas sociedades Cultural e Concórdia, e, como assíduo frequentador do Cinena Odeon.
Vida esportiva (onde iniciou em que clubes atuou – o que recorda desta fase: Iniciei jogando nos campos da várzea e até hoje tenho boas lembranças do denominado Campo da Tuna, que era localizado nas proximidades do Rio Pessegueirinho; também joguei no campo do Colégio Santa Rosa de Lima (campo de terra sem gramado); posteriormente joguei no E. C. Aliança, clube filiado à Federação Gaúcha de Futebol, de 1952 até o ano de 1954, ou seja desde a sua fundação;  atuava jogando na posição de lateral direito; lembro que integrei a equipe do E. C. Aliança quando o Clube Tricolor sagrou-se campeão citadino no ano de 1954, fato que desbancou a hegemonia do já então considerado o seu arqui-rival o Paladino F. C.; disputaram àquele certame futebolístico, além do E. C. Aliança, mais o Paladino F. C. e o Juventus A. C., e, os jogos eram realizados no Estádio Municipal do Pessegueiro, assim denominado porque localizado em área próxima ao rio Pessegueiro, hoje próximo a saída para a cidade de Giruá (vide fotos abaixo); atuei também no time de futebol denominado G. E. Mayer em Santa Rosa e Porto Alegre, RS; guardo boas lembranças do Sr. Bonifácio Lopes Camões que foi o principal idealizador na formalização dos atos de fundação do E. C. Aliança de Santa Rosa, RS, tendo, inclusive, o Sr. Bonifácio, exercido a sua presidência nos anos de 1952 até 1954; lembro também que o Paladino F. C. e o Juventus A. C. mantinham, em seus elencos, atletas de muito bons níveis técnicos, destacando, como seu ídolo, o meia-armador Nolly Joner e seu irmão Charles, no Juventus A.C. lembro dos irmãos Jaime (Centro-avante) e Paulo Araújo (Goleiro).

 
Clube(s) pelo qual torce: Grêmio de Foot Ball Porto Alegrense e Londrina F. C.
Atividade atual (ou enquanto esteve trabalhando): No ano de 1955 transferi residência para a cidade de Porto Alegre, RS, onde passei a trabalhar nas empresas do Grupo Mayer, tendo exercido a função de Auxiliar de Escritório até assumir a sua Contabilidade; exercendo ainda, no mesmo Grupo Mayer, as funções de Gerente Administrativo, passando, em razão do exercício das atividades profissionais, a residir nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e, em Arapongas, no Paraná, onde, paralelamente, colaborei com o clube de futebol profissional denominado Arapongas F. C.




Mantém atividade relacionada com o esporte? Mantenho somente atividades em Academias.
Já foi treinador, dirigente ou algo similar?  Exerci funções administrativas no clube de futebol profissional denominado Arapongas F. C., da cidade de Arapongas, PR.



O que faz atualmente?  Aposentado, mas ainda prestando serviços (gratuitos) em atividades assistenciais - integrando o grupo denominado Vicentino, ligado a Igreja Católica de Londrina, PR; desde o ano de 1973 fixei residência na cidade de Londrina, no Estado do Paraná; anualmente visito Santa Rosa, minha  cidade natal quando, na companhia de meu irmão Nildo Grings, a percorremos e orgulhosamente constatamos o seu progresso que gira com grande rapidez. 

Fotos de 1954:







 Colaboração de Raul Meneguini

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Por Onde Anda?

RAUL MENEGUINI

Raul Meneguini com esposa e netos. Das esquerda para a direita: Lucas, Bianca, Raul Neto, Romeu, Dona Adacila, Cecília.

Nasci em Santa Rosa. Sou filho de Victório Meneguini (já falecido) e de Cristina Meinerz Meneguini. 
APELIDO: Nunca tive apelido, nos campos de futebol me chamavam por Meneguini ou por Raul Meneguini. 
LOCAL DO CASAMENTO, COM QUEM, QUANTOS FILHOS, NETOS, ETC.: Em Santa Rosa, RS, casado com Adacila Tomasi Meneguini, temos três filhas (Adriana, Raquel e Rejane). 
GRAU DE ESCOLARIDADE: Sou Bacharel em Ciências Contábeis e em Ciências Jurídicas e Sociais.
COMO FOI A INFÂNCIA (onde, quando). O QUE LEMBRA COM SAUDADE: Na infância, acontecida em Santa Rosa/RS, minha cidade natal e na companhia de meus pais, jogando futebol no campo da Tuna (próximo da cascata do Rio Pessegueirinho) e num campo situado nas proximidades  do curtume de propriedade da família Fenner; pescando no Rio Pessegueirinho (nas proximidades da serraria do meu avô materno Cristóvão Leopoldo Meinerz), assistindo aos treinos e jogos do E. C. Aliança - o goleiro ao início era um paraguaio, baixinho, de nome Rodrigues, substituído pelo legendário Sabiá, o lateral, pela direita, era o Lídio Grings, o zagueiro central era o Neninho Massulini, o centro-médio era o Cid, o ponteiro direito era o Romalino Pinto Silva, o meia-direita era o Neco, e, o centroavante era o Penicilina;  aos treinos e jogos  do Paladino F. C.  - o goleiro era o Julio Andrade, os zagueiros eram o Ernani Kotlinsky e o Darci Zoehler ( Nique), o centromédio era o Nino Capellari, o volante pelo setor esquerdo de campo era o Decio Zoehler, os centroavantes se revezavam entre o Charles Danilo Joner, o Paulo Terra, ou Lauro Fenner,  e o ponta esquerda era Nei Silva que depois foi jogar - fazendo muito sucesso no futebol da 1ª Divisão de Profissionais do RGS - no E. C. Pelotas da cidade Pelotas, RS, e, tal desempenho se confirma na via Internet/Google. “Esporte: Nei Silva virá para o centenário - A direção do Esporte Clube Pelotas já começa a confirmar os nomes dos atletas que marcaram época no Lobão nos 100 anos e que estarão na festa do Centenário no dia 10 deste mês, no Clube Brilhante. No domingo, em Porto Alegre, o goleador Nei Silva, garantiu ao presidente Luís Aleixo que virá com a faixa de tricampeão citadino do cinqüentenário do azul e ouro - 1956, 57 e 58. Além dele, já confirmaram presenças: Flávio Minuano, Ademir Alcântara, Valmir Louruz e Oscar Urruty, entre outros grandes craques de todos os tempos. (Sérgio Cabral)” -  e, aos treinos e jogos do Juventus A. C.  - dos goleiros Paulo Pinto e/ou Paulo Zenni Araújo, dos zagueiros dois irmãos da família Mello, o centroavante era o João Jayme Araújo;  clubes de futebol da cidade de Santa Rosa/RS;   treinos e jogos esses acontecidos no Estádio Municipal situado ao lado do Rio Pessegueiro; tomando banho na barra (encontro das águas dos Rios Pessegueiro com o Pessegueirinho), local próximo ao então Estádio Municipal de Futebol. 

Na minha memória o primeiro fato relacionado com as Copas do Mundo de Futebol, foi com a Copa realizada na Suíça, no ano de 1954, quando, na companhia de meu pai, acorremos ao Estádio Municipal do Pessegueiro, em atenção à notícia divulgada pela nossa então Rádio Sulina que noticiara no decorrer da semana que no domingo haveria serviço de alto-falantes, em cadeia com uma Rádio do Rio de Janeiro (não lembro qual), e, que iriam transmitir o jogo decisivo para as pretensões da seleção brasileira, ou seja, a transmissão do embate entre Brasil x Hungria, e, em tal jogo - com início em horário atípico, pois antecedia ao horário do jogo preliminar marcado entre os aspirantes do Juventus A.C x Paladino F. C. - o resultado de 4x2, para os húngaros, entristeceu a todos que lá acorreram, pois, tal escore, eliminava de vez a nossa seleção canarinho naquela Copa.

Lembro com saudades dos tempos em que estudava no Colégio Santa Rosa de Lima, do time de futebol denominado Cariris (sempre gostei de assistir ou jogar futebol desde tenra idade), da amizade com os colegas estudantes do Colégio Santa Rosa de Lima; fui colega, durante o ensino fundamental e ginasial, do Ademar Antonio Braun, do Jarbas Tonel, do Cleóbis Zenni Araújo, Benaldo Liberali, Amario Mombach, do Nelson Wildner, Helio Heimerdinger, Pedro Pereira Acosta, Ari Weber, Pedro Lacus, Luiz Otávio Aciolly, do José Emilio Kruel e Werner Feuerhamel; saudades das aulas proferidas pelos professores Lauro Pedro Lenz e Moacir Schröeder; bons tempos que certamente não voltam mais.
            VIDA ESPORTIVA - ONDE INICIOU, EM QUE CLUBES JOGOU, O QUE RECORDA DESTA FASE: Iniciei jogando nos campos de futebol da várzea pelo Olaria F. C. da Esquina Guia Lopes e no Ipiranga F. C. da Vila Sulina, em ambos, como centroavante; depois joguei pelo E. C. Aliança, clube filiado à Federação Gaúcha de Futebol na categoria/amadores,  jogando inicialmente como centro médio e posteriormente como quarto zagueiro (dos 15 aos 21 anos de idade); em 1963 fiz um período de testes no G. E. Aymoré ( foto abaixo) clube participante da 1.ª Divisão de Profissionais com sede na cidade de São Leopoldo/RS, treinado na ocasião por Carlos Benvenutto Froner, levado por indicação do Alberto Silveira então goleiro do G. E. Aymoré, depois goleiro do Grêmio Porto-alegrense - lá treinando no Estádio Cristo Rei, por um período de 60 dias; lembro ter sido relacionado para o banco de reservas (não fui escalado para jogar),  para um jogo amistoso - naquela época era permitido o chamado banco de reservas somente para jogos amistosos - preparativo para o Campeonato Gaúcho da 1ª divisão de profissionais de 1963,  tal jogo, realizado a noite no Estádio Olímpico,  entre Grêmio x Aymoré (jogar futebol à noite era, para mim, então, uma grande novidade) vencido pelo Grêmio por 3x2, com gols do Ivo Diogo (2) e Vieira para o Grêmio e para o G. E. Aymoré marcados pelo centroavante Uga. 
                                                                              

Ano de 1963, Estádio Cristo Rei, G.E. Aymoré de São Leopoldo-RS. em pé: Raul e André Heinz e agachado Toruca.

Atuei também como jogador de futebol de salão - integrando a equipe do Santos F. C. - nos anos de 1963/1964, clube pelo qual fui campeão em 1963 da Copa Volkswagen; 3.º lugar no ano de 1964, na disputa da Copa Juan Carlos Ceriani (homenagem ao cidadão uruguaio que, em 1934, inventou o futsal), tendo, naquele certame, sido escolhido o craque da 8.ª rodada, recebendo, na ocasião, uma medalha alusiva, tais disputas realizadas na quadra esportiva da Evangélica da Paz, em Santa Rosa, RS.


Pelo E. C. Aliança - clube da cidade de Santa Rosa RS – atuei, ininterruptamente, de 1959 até 1965, onde, no ano de 1959, fui campeão estadual de amadores, série amarela.


No campeonato citadino de 1962 (vencido pelo Paladino F. C.), fui eleito, pela Liga Santa-rosense de Futebol, o melhor atleta do campeonato, tendo recebido uma medalha, alusiva ao fato (guardo-a em meu acervo até hoje), em ato acontecido dentro do gramado do Estádio Municipal Carlos Denardin, lembro tê-la recebido das mãos do então presidente da Liga Santa-rosense de Futebol Sr. Leo Rambo, acompanhado pelo mandatário do Paladino F. C. Sr. Manoel Camilo dos Santos (foto abaixo).


Raul Meneguini ao lado de  Pedro Pereira Costa do
Paladino FC


Tal ato, acontecido logo após o encerramento do jogo entre o E. C. Aliança e o Paladino F.C. (o maior clássico do futebol de campo do município, denominado clássico Al-Pal), jogo vencido pelo Paladino F. C., pelo escore de 2x1, resultado que deu ao arqui-rival  o título de bi-campeão citadino de 1962; de 1961 até o ano de 1965 fui titular nas equipes do E. C. Aliança na posição de quarto-zagueiro; era o batedor oficial das penalidades máximas nos anos de 1962 até 1965; fui capitão do time no ano de 1962; assim, por 07 (sete) anos consecutivos atuei nos campeonatos citadinos e estaduais disputados pelo E. C. Aliança, sagrando-me campeão nos anos de 1959, 1963, 1965, e, vice-campeão nos anos de 1960 (vencido pelo G. E. Sepé Tiarajú), 1961, 1962 e 1964 (vencidos pelo Paladino F. C.).








Nunca fui expulso de campo, embora a posição de quarto-zagueiro exigisse virilidade; tinha como características de jogo os lançamentos de longa distância e bom domínio de bola, usando tanto o pé direito como o esquerdo, fatores esses alcançados com treinamentos específicos e, também, copiando as características de jogo de atletas da época, com destaque especial às jogadas, ao melhor estilo, praticadas pelo atleta João Alberto Bastos, de apelido Tano e que atuava no E. C. Aliança, como centro-médio; nos campeonatos citadinos de 1962, 1963 e 1964, integrei - eleito pela crônica esportiva de Santa Rosa - na posição de quarto-zagueiro, as seleções dos melhores jogadores nos respectivos campeonatos. 


Na época em que joguei (1959 a 1965), alguns dos atletas, principalmente os jogadores oriundos de outras plagas, eram remunerados financeiramente - muito embora inscritos na Federação Gaúcha de Futebol como amadores - caracterizando-se assim como atletas semi-profissionais, porém, ninguém enriquecia financeiramente com o futebol; lembro que o E. C. Aliança auferia suas receitas financeiras, necessárias para a mantença dos custos dos seus atletas, via contribuições espontâneas dos associados, das vendas de ingressos de seus jogos nas bilheterias do Estádio Carlos Denardin e, principalmente, das coimas nos jogos carteados realizados em sua sede social.

Lembro que as equipes de futebol de Santa Rosa, ao início Paladino, Juventus e Aliança, somente passaram a filiar-se a Federação Gaúcha de Futebol (FGF) no ano de 1954, ano em que o E. C. Aliança deu início às conquistas que culminaram com o hexa campeonato citadino alcançado no ano de 1959; no ano de 1959 o E. C. Aliança chegou ao seu ápice em termos de conquistas esportivas, ou seja, foi hexa campeão citadino e também campeão estadual de amadores, série amarela.

 Todos os clubes de futebol santa-rosenses sempre contaram com atletas de outras plagas, visando, com tal filosofia, fortalecer as suas equipes de futebol; Lembro que o maior número de atletas considerados “estrangeiros” deu-se nos anos de 1962 e 1963, sendo que em 1962 coube ao nosso arqui-rival Paladino F. C. a maior importação e, na minha visão, a legião de estrangeiros fez com que o clube colorado santa-rosense formasse o melhor elenco de toda a sua história, com uma equipe muito competitiva, tais jogadores eram: Canhete (goleiro, oriundo do Paraguai), Plinio, Sarará, Armando (zagueiros), Carlinhos (centromédio), Vado e Queixinho (atacantes), oriundos de Porto Alegre, RS, e, mais os já anteriormente importados da cidade de São Luiz Gonzaga, RS, tais como o Mineirinho e o Joá (atacantes), e, de Santo Ângelo, RS, o João Adão Mousquer Marques, popular Perigoso (meia-armador); assim na formação do time do Paladino, no ano de 1962, jogavam, como titulares, somente dois santa-rosenses o Pedrinho Acosta e o Lothario Dreher; no ano de 1963, o E. C. Aliança dava o troco – ao adotar a mesma política do clube co-irmão Paladino - importando para o seu elenco os seguintes atletas: Canelão, Telê, Ilo Diogo e Cleber, todos de São Borja, RS, (E. C. Internacional e Cruzeiro F. C.), Claudio Mendonça (de Porto Alegre, RS) Juarez da Costa (do Guarani F. C. de Espumoso, RS) e Joãozinho (do Aimoré F. C., de Giruá, RS) que vieram juntar-se ao goleiro Lauro Frainer (oriundo de Guaporé, RS) e, assim o elenco do E. C. Aliança de 1963 passou a contar com 08 (oito) atletas no rol dos considerados “estrangeiros”. 




Esquadrão do EC ALIANÇA Campeão Citadino de 1963, que venceu o GE Sepé Tiarajú por 5 x 0. Em pé: Raul Meneguini, Claudio Mendonça, Lauro Frainer, Luiz Fortes(Gordo), Luis Carlos Alves da Silva(Canelão) e Fridolino Schulz(Penicilina). Agachados: Uca, Joãozinho, Juarez da Costa, Eloi Taquariano, Ilo Diogo(Chunga), Cleber e Valter Pereira de Oliveira.

Lembro também que os clubes de futebol de Santa Rosa e cidades vizinhas mantinham 03(três) categorias de atletas, assim distribuídas: Juvenis, Aspirantes e o elenco Principal; todos os atletas tinham fichas de inscrição - obrigatória para assinatura da súmula e adentrar no campo de jogo - na Liga Santa-rosense de Futebol e na Federação Gaúcha de Futebol; assim as jornadas esportivas - sempre realizadas aos domingos - tinham seu início já pela parte da manhã entre as equipes juvenis, e, às tardes eram reservadas para os jogos das categorias de aspirantes e elencos principais.

Muitos dos atletas conseguiram empregos em empresas locais, indicados através de dirigentes ou torcedores dos clubes em que atuavam; foi o que aconteceu comigo quando, em 1959, consegui emprego no escritório de contabilidade de propriedade de Nelson Gomes de Almeida, graças à intermediação de FRANCISCO JOSE BERTA e ANTENOR GRISOTTI, então Presidente e Diretor de Futebol do E. C. Aliança, respectivamente; na verdade os empregadores até relutavam quando das indicações, vez que, naquela época, os jogadores de futebol carregavam a nódoa de sujeitos folgados, daí às dificuldades para as admissões.

Tenho ainda que ressaltar as boas lembranças que guardo de ex-dirigentes, dedicados aos objetivos do E. C. Aliança, ao tempo que lá joguei, tais como dos ex-presidentes Francisco José Berta, Rosalino Vargas, Otto Edvino Haas, Elvino Pessato, Joaquim da Rocha Fagundes, Arnildo Ceno Ulrich, Armindo da Rocha; do ex-diretor de futebol Antenor Grisotti, que também atuava como representante do clube Aliancista junto à imprensa esportiva, pessoa de temperamento alegre, equilibrado, agregador, entusiasta do clube tricolor Santa-rosense e de fácil comunicação com os atletas; do treinador Artur Silva Ribas (Caiera) que me lançou, corajosamente, com 15 anos de idade, (substituindo, em caráter emergencial, ao centro-médio titular Tano que estava impedido de jogar), em jogo oficial contra o Oriental F. C., de Três de Maio, realizado no ano de 1959, no estádio do Oriental F. C. - pelo campeonato estadual de amadores.


Lembranças, também às guardo, das fortes rivalidades existentes entre jogadores, dirigentes e torcedores dos 06 (seis) clubes de futebol de campo que disputavam os campeonatos citadinos de Santa Rosa, RS – todos filiados à Federação Gaúcha de Futebol - defensores dos objetivos do E. C. Aliança (Tricolor com suas camisetas nas cores branco, verde e vermelho); do Paladino F. C. (Colorado – camisetas nas cores vermelho e branco), do Juventus A.C. (preponderando o verde e vermelho); do G. E. Sepé Tiaraju (azul e branco); do Juventude F. C. (amarelo e verde); o Bancários A. C. (branco e preto), e que acorriam nas tardes de domingos ao Estádio Municipal, primeiro ao estádio situado às margens dos Rios Pessegueiro e Pessegueirinho (até o ano de 1954); em 1955 e 1956 ao Campo de futebol do 19º Regimento de Cavalaria Motorizado ( no mesmo local onde ainda hoje se encontra),  e, a partir do ano de 1957, ao Estádio Municipal Carlos Denardin;  tais estádios geralmente ficavam totalmente lotados, principalmente quando se defrontavam os dois clubes de maior rivalidade e torcida da cidade, ou seja, entre o E. C. Aliança e o Paladino F. C. – o clássico denominado de Al-Pal, e, a rivalidade era de tamanha dimensão que era inconcebível que os atletas - principalmente os da dupla Al-Pal – nas horas de folga pudessem andar juntos sob pena de se lançar a nódoa da extrema suspeição e o imediato enquadramento como atletas inconfiáveis aos interesses dos seus clubes.

Guardo, em minha memória dois fatos marcantes ligados ao já então veterano e lendário zagueiro central Decio Zoehler: o primeiro fato por ter com ele formado a dupla de zaga do E. C. Aliança no ano 1961; o segundo fato por ter presenciado, no mesmo ano de 1961, a sua despedida dos campos de futebol, fato esse acontecido em jogo realizado na cidade de Espumoso/RS, onde vencemos, por 2x1, o Guarani F. C.; o Decio (de apelido Ganso) era um zagueiro central que jogava com virilidade e ao mesmo tempo com muita técnica, cidadão de bom caráter, simples, orientador, amigão, gozador e irreverente, tendo retornado aos estádios de futebol em 1963, como treinador do E. C. Aliança, colaborando, gratuitamente, com seus conhecimentos, na conquista do campeonato citadino daquele ano.

Guardo também com emoção e orgulho o fato de ter disputado no ano de 1959, com 15 anos de idade, a titularidade no já então respeitado time do E. C. Aliança, jogando entre atletas já mais rodados ou experimentados nos campos de futebol, tais como: Fredolino Schultz (Penicilina), Alceu Mallmann, João Alberto Bastos (Tano), Guido Fischer, Decio Zöehler (Ganso), Darci Zöehler (Nique), Eloi Vicente Pereira (Taquariano), Derly Teixeira (Tartaruga), Decio Nascimento (Decinho), Walter Wienandts, do goleiro Nolly Valle de Oliveira (Sabiá), Pedro Dias (Mulita), Lair Perini (Tatuzinho), Rosalino Rigo (Pinga), Pedro Paulo Primo Barili, Rubens Maicá e outros.

E, na minha modesta opinião, elejo como o maior e melhor plantel que o E. C. Aliança teve, ao longo da sua história, o formado no ano de 1959, reunindo atletas de invejáveis qualidades técnicas e físicas; naquele ano de 1959 o elenco Aliancista reunia os seguintes atletas: Goleiros:  Nolly Valle de Oliveira – o Sabiá (titular) e os reservas: Ubirajara de Oliveira (Bira), Raul Bolacha e Edmundo Gund;  Zagueiros pela direita:  Decio Zöehler (titular) e o seu reserva o Nestor Wagner;   Zagueiros pela esquerda: Darci Zöehler - Nique (titular)) e como reserva o Rubens Maicá;  Laterais pela direita;  Derly Teixeira (titular) e como reservas Rosalino Rigo (Pinga), Ivanir Taffarel e o Walter Pereira Oliveira (Taquariano); Centro-médios:  João Alberto Bastos - o Tano (titular) e como seu reserva Raul Meneguini;  Volante-lado esquerdo:  Guido Fischer (titular) e o seu reserva o Becler Wandscheer (Pinduca);  Ponteiros pela direita: o Eloi Vicente Pereira - Taquariano (titular) e o seu reserva o Luiz Mazzocco (Miquim);  Meias – direitas:  Pedro Dias (Mulita) e o Décio Nascimento (Décinho);  Centro-avantes:  Fredolino Schultz - Penicilina (titular) e o seu reserva  Pedro Paulo Primo Barili;  Meias-esquerdas:  Alceu Mallmann (titular) e o seu reserva Jarbas Tonel e na Ponta esquerda:  Walter Wienandts (titular) e seus reservas  Lair Perini (Tatuzinho) e o Burrinho.  Por dever de justiça reconheço afirmando que o melhor elenco - constituído de jogadores também de alta qualidade técnica e física - que enfrentei nos campeonatos citadinos de Santa Rosa/RS, estava no plantel do Paladino F. C. no ano de 1962.





Orientado pelos meus pais, nunca deixei de estudar e trabalhar ao tempo que joguei futebol (1959 a 1965), muito embora a minha preferência pelo futebol.  Na época em que defendi o E. C. Aliança os jogos, amistosos ou oficiais, eram realizados aos domingos – e, os treinamentos das equipes aconteciam geralmente nas tardes das 3.ªs e 5.ªs feiras, utilizando-se os estádios do 19º Regimento de Cavalaria Motorizada e/ou o Estádio Municipal Carlos Denardin; para os treinamentos e visando não prejudicar-me nos compromissos paralelos ao futebol (estudo e trabalho), a direção do E. C. Aliança colocava à minha disposição os serviços de táxi de propriedade do Sr. Albino Zorzan e/ou do Sr. Valentim Antonio Maschio, fazendo com que dessa forma eu pudesse cumprir com os diversos horários então comprometidos (futebol, estudo e trabalho); bom frisar que na época em que atuei o jogador de futebol não era legalmente reconhecido como trabalhador, aliás, diga-se de passagem, em alguns dos segmentos da sociedade, eram até pejorativamente conceituados como vadios, sem profissão, etc., em flagrante contraste aos que se apresentam nos dias de hoje, legalmente reconhecidos - profissão regulamentada - e, pela grande maioria da sociedade, aceitos como trabalhadores.

De 1959 a 1960 atuei no E. C. Aliança na posição de centro-médio e era o reserva imediato do titular João Alberto Bastos (Tano);




De 1961 a 1965 atuei como quarto-zagueiro titular na equipe do E. C. Aliança, fazendo dupla de área com: Decio Zöehler (1961); com João Carlos Duarte (1961/1962 - atleta oriundo do Quaraí F. C., da cidade de Quaraí, RS); com o Fredolino Schultz de apelido Penicilina (1963); com Luiz C. A. da Silva, de apelido Canelão (1964) e, com Eduardo Luiz Donini, de apelido Toco (1965).

                                            Fredolino Schulz (Penicilina) e Raul Meneguini.


No período de 1954 até 1965, as equipes se apresentavam assim distribuídas em campo: ao início no esquema 2-3-5 (dois zagueiros, três na linha intermediária, formada por um lateral pela direita, o centro-médio e o volante pela esquerda, e, a linha atacante com cinco atacantes: ponta direita, meia-direita, centro-avante, meia-esquerda e ponta esquerda); depois no esquema 4-2-4 (a zaga, com quatro jogadores, formada pelo lateral direito, zagueiro central, quarto-zagueiro e lateral esquerdo, o meio de campo, com dois atletas, formava com o centro-médio e um dos seus meias-atacantes, e a linha atacante formava pelos ponteiros pela direita e esquerda, um meia-atacante e o centro-avante; e, finalmente no esquema 4-3-3 - a defesa, com quatro jogadores, formada pelo lateral direito, zagueiro central, quarto-zagueiro e lateral esquerdo - o meio de campo, com três jogadores, formava pelo centro-médio, um dos meias-atacantes e um ponteiro recuado e que podia alternar-se dependendo de como se apresentava o ponteiro adversário (velocista);  e, a linha atacante formada com três atacantes: por um dos ponteiros, um meia-atacante e o centro-avante.

Lembro que o local preferido das diretorias do E. C. Aliança para as concentrações dos jogadores era no antigo Hotel Brasil, localizado na Av.Dr. João Dahne, esquina com a Rua Dr. Francisco Timm, e, os concentrados geralmente eram somente os jogadores solteiros.



 Local: Praça da Independência, ano 1961, aparecem na foto: Áureo Machado(Torcedor), Neri Cappellari, Luiz Gortes(Gordo), Dirceu Torres(Torcedor), Pedro Dias(Mulita), Antenor Grisotti(Diretor de Futebol) e sentados Walter Wienandts e Raul Meneguini.

 Ao tempo que lá joguei (1959 a 1965), o E. C. Aliança  tinha como sua Sede Social nos seguintes endereços: Inicialmente, em prédio locado, na  Av. Dr. João Dahne, esquina com Av. Borges de Medeiros (local onde hoje estabelecida a empresa Policlínica Santa Rosa), depois, em prédio também locado, situado à Rua Dr. Francisco Timm (ao lado onde hoje localizado um depósito de propriedade/sede da empresa denominada Chafariz) e, por último em prédio próprio situado à rua Fernando Ferrari esquina com a Av. Rio Grande do Sul, defronte a Praça Alemã,  (local onde hoje estabelecida a empresa denominada Imecom). 


   Foto da sede do E. C. Aliança, ano de 1965.


Lembro que o E. C. Aliança, através da sua diretoria e capitaneada pelos empresários Fredolino Steffen, Arnildo Ceno Ulrich, Francisco José Berta, Leonisio Grando, Antenor Grisotti e outros, adquiriu, em 1964, um prédio de alvenaria localizado à Rua Fernando Ferrari, esquina com a Av. Rio Grande do Sul, defronte a Praça Alemã (onde hoje localizado o prédio sede da empresa IMECOM), cujo prédio serviu de sede do Clube tricolor até ser destruído, por incêndio, em 1974, fato que muito nos entristeceu porque juntos foram queimados um sem número de troféus, fotos dos times, etc., enfim, tudo àquilo que era de mais valioso e caro para nós Aliancistas de coração; lembro também que tal aquisição da Sede própria forçou a Diretoria do Clube na ação imediata de contenção dos gastos para a mantença de jogadores importantes para a equipe e que, já então, haviam muito nos ajudado na conquista do campeonato citadino do ano de 1963; dita contenção, nos gastos do Clube, determinou nas dispensas dos atletas: Lauro Frainer (Goleiro), Claudio Mendonça (Centro-médio), Joãozinho (Ponta direita), Ilo Diogo (Meia-ponta de lança, irmão de Ivo Diogo), Luiz Fortes Rodrigues (Gordo – centro-avante), e Cleber (meia-esquerda, articulador), consequentemente, o grande time da conquista do campeonato citadino de 1963 (foto abaixo) foi quase que totalmente renovado, substituídos por atletas recém vindos da categoria de base, fato esse que também contribuiu na perda do campeonato citadino de 1964, conquistado pelo arquirrival Paladino F. C.


Guardo também com muito orgulho e honra 05 (cinco) acontecimentos que me proporcionaram muita honra e satisfação:

 a) Ser requisitado pela direção técnica do Paladino F. C. - clube arqui-rival do E. C. Aliança - no ano de 1962 para atuar com a camisa colorada em jogo amistoso contra o Esporte Clube São José, o Zequinha de Porto Alegre, clube que disputava o campeonato estadual da 1ª Divisão de Profissionais do Estado; lembro que o E. C. São José trouxe em sua delegação o meia-esquerda Enio Andrade, já em fim de carreira como jogador e naquele jogo acumulando a função de técnico, e, o lateral Gilberto Tim; o Estádio Carlos Denardin, palco do dito jogo, ficou totalmente lotado, inclusive com visitantes argentinos, vez que o Enio Andrade já era famoso internacionalmente como CAMPEÃO pela Seleção Brasileira (representada por jogadores gaúchos) no Pan Americano realizado no México no ano de 1956, e, também, por ter jogado no grande time da Sociedade Esportiva Palmeiras de São Paulo (época em que o maior clássico paulista era jogado entre Santos F. C. do Rei Pelé e a S. E. Palmeiras dos jogadores gaúchos Valdir Morais (goleiro), Enio Andrade (meia-esquerda) e Chinesinho ( meia esquerda ou ponta esquerda ).


b) Ser requisitado, no ano de 1965, pela direção técnica do Juventude F. C. do Bairro de Cruzeiro, para atuar com a camisa verde-amarela em jogo amistoso contra o E. C. Cruzeiro de Porto Alegre; tal jogo, realizado no Estádio Carlos Denardin, com conotação festiva, vez que no E. C. Cruzeiro estava jogando o nosso conterrâneo Jarbas Tonel.

c) Ser distinguido, no ano de 2005, como depositário de documentos pertencentes ao acervo do E. C. Aliança, incumbência essa recebida das mãos do Sr. Nilton Antonio de Souza, ex-presidente do Clube, tais como: a Bandeira do Clube, um fichário contendo diversas fichas de inscrições de atletas do E. C. Aliança junto à Federação Gaúcha de Futebol; tais documentos ensejaram-me pesquisar sobre as identificações dos jogadores do Clube, possibilitando-me fazer a inserção, neste documentário, dos nomes completos dos atletas, vez que em tais fichas constam todos os dados pessoais dos inscritos.

 

 Ficha de inscrição do atleta Fredolino Schulz, o Pinicilina, na Federação Riograndense  de Futebol(hoje Federação Gaúcha de Futebol).


Bandeira Oficial do Esporte Clube Aliança

d) Ser homenageado pela diretoria do Paladino F. C., clube arqui-rival do E. C. Aliança, no transcorrer das festividades comemorativas dos 65 anos de sua fundação, fato esse acontecido no ano de 2011, em sua Sede Social localizada à Rua Santa Rosa (prédio próprio), tendo, na ocasião, sido distinguido com a Comenda de Mérito Desportivo.

                  Charles Joner, Raul Meneguini, Paulo Laércio Soares Madeira e Antílio Fagundes. 

e) Participar, como homenageado - na condição de ex-atleta do E. C. Aliança – em promoção denominada “Noite da História e Memória do Futebol de Santa Rosa“ evento de iniciativa do Poder Público Municipal, via Secretaria Municipal de Esporte e Lazer, realizada em 08 de novembro de 2013, ocasião em que foram homenageados atletas e personagens que atuaram no futebol santa-rosense desde o ano de 1946, reunindo, aproximadamente, 300 (trezentos) homenageados, fato esse acontecido nas dependências do Restaurante Ponto Dez, situado na Avenida América, ou seja, na mesma avenida que desde o ano de 1957 leva ao endereço de nosso inesquecível Estádio Municipal Carlos Denardin (foto abaixo).

 Da esquerda para a direita: Neco, Eloi Pereira(Taquariano), Vendelino de Barba(Ex-presidente), Wilson Malez(Torcedor), Pedro Paulo Primo Barili, Romalino Pinto e Silva, Raul Meneguini, Juarez da Costa e Genesio Grisoti.
                
 Lembro também dos atos formais de inauguração dos vestiários com túnel de acesso ao gramado do Estádio Carlos Denardin; tais atos acontecidos em dezembro de 1962 quando de um jogo amistoso entre a Seleção de Santa Rosa x Seleção de Cruz Alta - era, para a época, novidade ingressar no campo de jogo via túnel fato que nos deixou orgulhosos, mas, um pouco apreensivos; na ocasião da inauguração lembro que usou da palavra o homenageado Sr. Joaquim da Rocha Fagundes, vez que, dito vestiário (até hoje utilizado) levou o seu nome (Foto abaixo).


            Por dever de justiça registro os nomes dos treinadores que ao tempo que atuei me orientaram disciplinando-me como atleta e cidadão: Arthur Silva Ribas, de apelido Caiera ( 1959/1961, e, em 1965);  Domingos Calza e Luiz Meneghel (1962), Carlos Benvenutto Froner e Decio Zöehler (1963),  Zé da Cruz (1964); na mesma esteira enaltecer o trabalho dos massagistas: Foguinho (1959), Átila Weber (1960) e Luiz Dantas, de apelido  Surdo (1961/1965).

            Da imprensa, falada e escrita, representada, naquele período, pela Rádio Sulina (Ed. Bozzeto, na Av. Rio Branco) e pelo jornal A Serra (prédio do Sr. Vicente Zoehler, na Av. Dr. João Dahne); dos cronistas esportivos - narradores, comentaristas, repórteres de campo e colunistas - João Jayme Araújo, João Carlos Bircke, Paulo Régis, Pedro Paulo Primo Barili, Antenor Grisotti, Er Mussi Andrade, Antonio Carlos Borges, Erni Friedrichs, Milton Eugenio Rauber, Alceu Medeiros, Valdomiro Lyra, Pedro Comarú e Nestor Peroty.


O Presidente do Aliança Senhor Antenor Grizzotti, no gramado do Estádio Carlos Denardin, discursa, entre, a sua direita, o Presidente do Internacional Arthur Dallegrave e Severino Grechi e outros dirigentes e a sua esquerda o Diretor Rafael Strouggo, antes do jogo festivo entre o E. C. Aliança e o clube colorado da capital.


            Do quadro de árbitros da Liga Santa-rosense de Futebol, no período de 1959 a 1965, que contava com Julio Nunes, Luiz Floriano Meneghel, Romalino Pinto Silva, Juan Eduardo Hess, Pedro Bertuol, Juarez dos Santos, Aristides Gomes, Paulo Barcellos , Valentim Antonio Maschio, Major Sobrinho.

    Em meados do ano de 1965 (com 21 anos de idade), a contra gosto, encerrei as atividades como jogador de futebol inscrito na Federação Gaúcha de Futebol; tal atitude inclinada pela abertura de um escritório de contabilidade, transferindo-me para a cidade de Porto Lucena, RS. 
CLUBE(s) PELO QUAL TORCE: Sou torcedor do Juventus A. C. de Santa Rosa e do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense. 
MANTÉM ATIVIDADE RELACIONADA COM O ESPORTE? Mantenho encontros semanais com ex-atletas de futebol de campo aqui em Santa Rosa para propiciar o salutar diálogo sobre o futebol atual e também para relembrar os fatos esportivos vividos no passado, narrados na linguagem dos boleiros, e, teimosamente, ainda jogando para manter a cisma de jogador de futebol, em ritmo ao que me é permitido pela faixa etária de idade, em quadra de futebol sete, nas 2.ªs feiras (piso com grama sintética, situado ao lado da RS 344) e, nas 5.ªs feiras (campo com piso em gramado natural, situado às margens do Rio Pessegueirinho, em área da CORSAN).

Em 2011-  Raul Meneguini no Estádio Carlos Denardin.
Anualmente, em janeiro ou fevereiro, tenho reencontrado, na Praia de Atlântida, Rainha do Mar e na cidade de Osório, RS, o Guido Fischer (Volante - pelo lado esquerdo do campo) e o Walter Wienandts (Ponta esquerda), dois ex-atletas que em muito contribuíram para as conquistas do E. C. Aliança, e, que também enseja oportunidade para relembrarmos fatos acontecidos/vividos no Tricolor Santa-rosense. 

JÁ FOI TREINADOR, DIRIGENTE OU ALGO SIMILAR? Não, mas entusiasta do futebol acompanho os jogos, principalmente os que envolvem a dupla Gre-Nal, via rádio e TV; aprecio escutar, diariamente, o programa de debates esportivos Sala de Redação, na Rádio Gaúcha.
O QUE FAZ ATUALMENTE? Como atividade profissional, mantenho meu escritório de advocacia, e, como entretenimento, também confraternizo com ex-atletas, ex-dirigentes e torcedores que participaram do futebol de campo acontecido em Santa Rosa, RS (fotos abaixo); continuo residindo em Santa Rosa, RS. 


Lair Perini(Tatuzinho), Raul Meneguini, Juarez da Costa  e Lothário Dreher. 
 Local: Restaurante O Porão em Cruz Alta de Propriedade de Lothário Dreher em 10 de agosto de 2011.

Irineu Donini (Presidente do Paladino FC), Atanagildo Germano Rorato (Delegado Representante da F.G.F. de 1988 até 2014) e Lourival Mussi de Andrade (Ex-atleta do Paladino FC), na sede do E. C. Aliança, em Santa Rosa, no ano de 2012.

Em 2000 - Genésio Grisotti, Antenor Grisotti, Luiz Carlos Alves da Silva (Canelão), Pedro Primo Paulo Barili, Victório Meneguini e Juarez da Costa.

Em 2012 - Raul Meneguini e Antenor Grisotti .

Fevereiro de 2011 - Local Atlantida, Xangri-Lá, RS, aparecem: Guido Fischer, Walter Wienandts e Raul Meneguini.

17/09/2010  - Local: Sede do E. C. Aliança, aparecem: Irineu Donini (Presidente do Paladino F. C.), Dr. Paulo L. S. Madeira (Presidente do Conselho Deliberativo do Paladino F. C.), José Carlos Rodrigues (ex-atleta do E. C. Aliança - apelido Elite).

2005 - Décio Zoehler (Ganso) e  Elói Vicente Pereira (Taquariano).
(Ex-atletas do E. C. Aliança)

2005 - Décio Zoehler, Raul Meneguini e Juarez da Costa (ex-atletas do E.C. Aliança)

Junho de 2010 - Irineu Donini, Valdemar Zenni (Ex-Presidente do Paladino F. C.) e Humberto Reinehr (ex-atleta e torcedor do E. C. Aliança)

2005 - Decio Zoehler e Raul Meneguini (ex-atletas do E. C. Aliança).

10 de agosto de 2004 - Lauro Frainer e Genésio Grisotti (ex-atletas do E.C. Aliança).

Em 2005 - Décio Zoehler, Elói Vicente Pereira (Taquariano) e Juarez da Costa.


Em: 2004 - Décio Zoehler e Lauro Frainer (ex-atletas do E. C. Aliança)

Em 2006 - Décio  Zoehler, Valdemar Zenni, Nelci Dani e Wily Gonçalves Dias (ex-atleta do Juventus A.C. , E. C. Aliança e Juventude F.C. e ex-presidente do Dínamo F. C. (1989) e Juventus A. C. (1997 e 1999).

2005 - Raul Meneguini, Eloi Taquariano e Juarez da Costa (ex-atletas do E.C.
Aliança).

Em 2008 - Valdemar Zenni e Decio Zoehler.

17/09/2010  - Irineu Donini, Dr. Paulo L. S. Madeira e Raul Meneguini.

22/07/2011 - Arlindo Bergmann (Neco), Irineu Donini e José Carlos Rodrigues (Elite).


Encontro ex-atletas do E.C. Aliança, na Praia de Atlântida - Xangri-lá, em 27/01/2012.  Guido Fischer (sentado), Walter Wienandts  e Raul Meneguini.

10 de agosto de 2004 - Lauro Frainer e Raul Meneguini (ex-atletas do E. C. Aliança )

Agosto de 2004 - Genésio Grisotti e Raul Meneguini (Ex-Atletas do E.C. Aliança).

2004 - Décio Zoehler e Raul Meneguini.

2004 - Raul Meneguini e Lauro Frainer.


Reencontro de ex-atletas do E. C. Aliança
Da esq. para direita:
Raul Meneguini, Walter Wienandts e Guido Fischer
Ano de 2013 - Local Praia de Atlântida
.

Atenção: Clique sobre as fotos para ampliar.